Nossa única segurança

Somos encaminhados à Bíblia como a proteção contra o poder ilusório do mal. Satanás utiliza todo artifício possível para impedir as pessoas de obterem conhecimento da Bíblia. A cada reavivamento espiritual, ele se levanta para atividade mais intensa. A batalha final contra Cristo e Seus seguidores logo ocorrerá diante de nós. A imitação será tão parecida com o verdadeiro que será impossível distinguir entre ambos sem o auxílio da Bíblia.

Aqueles que se esforçam por obedecer a todos os mandamentos de Deus, enfrentarão oposição e zombaria. A fim de suportar o teste, devem compreender a vontade de Deus, conforme revelada em Sua Palavra. Só poderão honrar a Deus se compreenderem corretamente Seu caráter, governo e propósitos, e se agirem de acordo com estes. Ninguém, a não ser aqueles que se fortaleceram com as verdades da Bíblia, poderá resistir no último grande conflito.

Antes de Sua crucifixão, o Salvador revelou aos discípulos que Ele seria entregue à morte e depois ressuscitaria. Anjos estavam presentes para gravar Suas palavras na mente e coração deles. Mas as palavras fugiram da mente dos discípulos. Com a morte de Jesus, suas esperanças foram quase que completamente destruídas, como se Ele não os houvesse advertido previamente. Assim, nas profecias, o futuro é apresentado diante de nós tão claramente como foi revelado por Cristo aos discípulos.

Quando envia advertências, Deus requer que toda pessoa dotada de raciocínio atenda à mensagem. As advertências sobre adorar a "besta" e sua "imagem" (veja Apocalipse 14:9-12) deveriam levar todos a estudar as profecias para aprenderem o que é a marca da besta e como pode ser evitada. Muitos, porém, não desejam conhecer as verdades bíblicas, pois estas interferem nos desejos do coração pecaminoso.

Mas Deus terá um povo que mantém a Bíblia, e a Bíblia somente, como padrão de todas as doutrinas e base de todas as mudanças. As opiniões de intelectuais, as deduções da ciência, as decisões de concílios eclesiásticos, a voz da maioria – nenhuma dessas coisas, nem todas em conjunto, deveriam ser consideradas como prova a favor ou contra qualquer doutrina. Devemos exigir um "assim diz o Senhor". Satanás leva as pessoas a olharem para os líderes espirituais e teólogos como seus guias, em vez de examinarem a Bíblia por si mesmas. Ao ter domínio sobre esses líderes, ele pode influenciar as multidões.

Quando Cristo veio, o povo comum ouvia Seus discursos com prazer. Mas os chefes dos sacerdotes e os homens de posição elevada se fecharam no preconceito; rejeitaram as evidências de Seu caráter messiânico. "Como pode ser", perguntava o povo, "que nossos líderes e cultos escribas não creem em Jesus?" Esses mestres levaram muitos judeus a rejeitar o Salvador.

Muitos estão prontos a entregar aos líderes espirituais a responsabilidade pela sua própria salvação. Leem os ensinos do Salvador quase sem percebê-los. São, porém, infalíveis os líderes? Como poderemos confiar em sua orientação, a menos que saibamos, pela Palavra de Deus, que são portadores de luz? A falta de coragem moral leva muitos a seguir as pegadas de pessoas cultas, e assim vão se tornando desesperadamente presos nas algemas do erro. Veem na Bíblia as verdades para este tempo e sentem o poder do Espírito Santo acompanhando a proclamação dessas verdades, mas ainda assim permitem que líderes religiosos os desviem da luz.

Satanás atrai multidões ao ligá-las com suaves laços da afeição aos que são inimigos da cruz de Cristo. Essa ligação pode ser paternal, filial, conjugal ou social. As pessoas postas sob o domínio dele não têm coragem de obedecer às próprias convicções sobre o correto.

Muitos afirmam que não importa o que alguém creia, se sua vida for correta. Mas a vida é moldada pela fé. Se a verdade estiver ao alcance e nós a negligenciarmos, estaremos rejeitando-a na prática, e assim escolhendo as trevas em vez da luz.

A ignorância não é desculpa para o erro ou pecado, quando há oportunidade de conhecer a vontade de Deus. Alguém em viagem chega a um lugar em que há várias estradas, e a sinalização indica aonde cada uma delas leva. Se a pessoa desatende à indicação e toma qualquer caminho que lhe pareça correto, poderá ser muito sincera, mas andará pelo caminho errado.

Não é suficiente termos boas intenções, fazermos o que nos parece direito ou aquilo que o líder religioso diz ser correto. Devemos pesquisar a Bíblia por nós mesmos. Temos um mapa que apresenta todas as indicações na jornada rumo ao Céu, e não precisamos fazer suposições a respeito de coisa alguma.

O primeiro e maior dever de todo ser racional é aprender na Bíblia o que é a verdade, e então andar na luz e estimular outros a imitar o seu exemplo. Devemos formar opiniões por nós mesmos, visto que teremos de responder por nós mesmos diante de Deus.

Intelectuais, que pretendem possuir grande sabedoria, ensinam que a Palavra de Deus tem um significado secreto e místico, que está além da clara linguagem do texto. Esses são falsos mestres. A linguagem da Bíblia deve ser explicada de acordo com o seu sentido óbvio, a menos que um símbolo ou figura seja utilizado. Se as pessoas apenas tomassem a Bíblia como é, seria realizada uma tarefa que levaria para o caminho de Cristo milhares que agora estão no erro.

Muitas partes da Bíblia, que eruditos declaram não ser importantes, estão cheias de conforto para aquele que aprende com Cristo. A compreensão das verdades bíblicas não depende tanto do poder do intelecto aplicado à pesquisa, mas da singeleza de propósito, do sincero desejo de alcançar a verdade.

A Bíblia jamais deve ser estudada sem oração. Somente o Espírito Santo pode nos fazer sentir a importância das coisas fáceis de serem percebidas, ou impedir-nos de distorcer verdades difíceis de serem compreendidas. Anjos celestiais preparam o coração para que a Palavra de Deus seja compreendida. Podemos ficar encantados com sua beleza, ser fortalecidos por suas promessas. As tentações muitas vezes parecem irresistíveis, porque a pessoa tentada não consegue recordar facilmente as promessas de Deus e enfrentar Satanás com a arma da Bíblia. Porém, anjos estão ao redor daqueles que desejam receber instrução, e lhes trarão à lembrança as verdades de que necessitam.

"O Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em Meu nome, lhes ensinará todas as coisas e lhes fará lembrar tudo o que Eu lhes disse" (João 14:26). Mas os ensinos de Cristo devem ter sido previamente armazenados na mente a fim de que o Espírito de Deus os traga à lembrança no tempo de perigo.

O destino de imensas multidões da Terra está prestes a ser decidido. Todo seguidor de Cristo deve indagar com sinceridade: "Que devo fazer, Senhor?" (Atos 22:10). Precisamos buscar agora uma experiência profunda e viva nas coisas de Deus. Não temos sequer um momento a perder.

Muitos se orgulham pelos maus atos que não praticam. Não basta, contudo, que sejam árvores no jardim de Deus. Devem produzir frutos. Essas pessoas estão registradas nos livros do Céu como ocupando em vão o solo. Porém, mesmo no caso daqueles que pouco se importam com a misericórdia de Deus, desprezando a Sua graça, o coração do amor paciente ainda os chama.

No verão, não é percebida diferença alguma entre os ciprestes e outras árvores. Mas, ao soprarem as rajadas do inverno, os ciprestes permanecem inalteráveis, enquanto que as demais árvores perdem a folhagem. Se surgir a oposição, novamente for exercida a intolerância religiosa, inflamada a perseguição, os insinceros e hipócritas vacilarão, renunciando a fé. Mas o verdadeiro cristão permanecerá firme, sua fé estará forte e sua esperança será mais viva do que nos dias de prosperidade.

"Bendito é o homem cuja confiança está no Senhor, cuja confiança nEle está. Ele será como uma árvore plantada junto às águas e que estende as suas raízes para o ribeiro. Ela não temerá quando chegar o calor, porque as suas folhas estão sempre verdes; não ficará ansiosa no ano da seca nem deixará de dar fruto" (Jeremias 17:7, 8).

A Grande Esperança
Copyright © 2011 - Todos os direitos reservados. | Igreja Adventista do Sétimo Dia | iDSA